22 novembro 2009

A Igreja é Comunhão - IX

O processo de alteração da sociedade, através das evolução tecnológicas, estou em crer, é imparável. No futuro, a ciência e a técnica “continuarão a desenvolver-se segundo uma lógica que lhes é imanente e necessária, e a sua transmissão às gerações futuras é também consequência lógica do seu valor universal. Não se lhes pode pôr freios, contrapondo-lhes o sonho romântico de um paraíso terrestre, anterior à era da ciência; ou seja, um modo de negar aos outros aquilo que não queremos perder. O que importa, sim, é achar os meios mais adequados para lhes limitar os danos”(Joseph Ratginzer).
Se, por um lado, vivemos numa época em que a informação flui por toda a parte, por outro, o indivíduo tem de ter capacidades para se saber localizar, tanto quanto possível, na complexidade.
A educação desempenha aqui um papel importante; a linha de pensamento educacional moderna põe o seu acento na ideia de autonomia e tomada de responsabilidade pelo próprio indivíduo. A noção não é de forma alguma nova mas adquire valor de resposta à crise contemporânea de ideologias que deixa o homem sem ponto de apoio individual e colectivo.
Podemos dizer que o mundo tecnológico apresenta-se como algo de enigmático aos nossos olhos, tanto mais que acarreta consigo um estado de crise preocupante. Esta é-o porque não tem paralelo com nenhuma época anterior. A especificidade desta vem-lhe da enorme mudança que a caracteriza. Contudo, a sociedade tecnológica continua a desenvolver-se segundo uma lógica que lhe é própria e na qual cada indivíduo é chamado a tomar responsabilidades.
Neste contexto a vivência da comunhão pode assumir novos contornos; as possibilidades técnicas podem ajudar a uma maior clarificação do conceito de «comunhão» e a achar formas novas de a praticar. É um dado assente que esta revolução é universal, tal como a Igreja pretende ser (católica), assim à Igreja cabe compreender este processo, assimilá-lo, na medida do possível, para poder situar-se na nova sociedade e realizar aí a sua missão.

3 comentários:

casimirosilva disse...

Excelente, meu caro. Há um pormenor sobre o qual tenho sérias dúvidas: pelo que temos assistido a sociedade tecnológica tem tido um papel muito forte na exclusão. Por isso, temo que nem tudo sejam rosas no que diz respeito ao relacionamento humano.

LM disse...

Concordo!
A emergência das tecnologias gera exclusão. Mas será pela tecnologia em si ou pelo uso (mau uso) que se faz dela?
Estou persuadido de que se trata essencialmente de um mau aproveitamento das novas tecnoligas.

casimirosilva disse...

Sim, claro. O problema está no uso que é dado às tecnologias. E nisso a história dá-nos muito maus exmeplos. Daí que considere que a forma como formos capazes de valorizar o que está para além da máquina seja fundamental.